quarta-feira, 30 de março de 2011

Olha eu aqui de novo

Oie... Saudades de escrever aqui e ja livro meu amigo da culpa, o Gi arrumou na semana passada ai tive alguns problemas de familia, mas agora é seguir em frente. Infelizmente o que eu tava salvando para postar tudo junto se foi, mas não importa, pensamentos antigos só servem de peso desnecessário. Hoje meio atordoada ainda deixo apenas um poema que vi a alguns dias, amanhã volto com tudo.

Bju bju e xau xau gente


Acordar, Viver

Como acordar sem sofrimento?
Recomeçar sem horror?
O sono transportou-me
Aquele reino onde não existe vida
E eu quedo inerte sem paixão.

Como repetir, dia seguinte após dia seguinte,
A fábula inconclusa,
Suportar a semelhança das coisas ásperas
De amanhã com as coisas ásperas de hoje?

Como proteger-me das feridas
Que rasga em mim o acontecimento,
Qualquer acontecimento
Que lembra a Terra e sua púrpura demente?
E mais aquela ferida que me inflijo
A cada hora, algoz
Do inocente que não sou?

Ninguém responde, a vida é pétrea.

(Carlos Drummond de Andrade)

0 comentários:

Postar um comentário

Deposite sua idéia aqui! :)